Mostrando postagens com marcador blog sobre londres. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador blog sobre londres. Mostrar todas as postagens

Contas Residenciais

Se você alugou um flat (apto) ou uma casa para si mesmo, é muito importante que você tome nota dos números do relógio do marcador de água, luz e gás e entre em contato com cada uma das fornecedoras dos serviços e avise que você é o novo inquilino, informando os números que constam nos relógios para que depois não venha uma conta para vc pagar de gastos que não foram seus.
Tem muita gente que sai do imóvel e esquece de avisar as empresas fornecedoras dos serviços, dai o proximo inquilino acaba tendo uma grande dor de cabeça, pois uma bela conta irá chegar, até provar que rapadura não é tijolo, o sujeito vai ter que pagar a conta, se não, correrá o risco de ter os serviços cortados. Portanto, é muito importante tomar nota dos números nos marcadores (relógios) e entrar em contato imediatamente com as fornecedoras. (Pergunte ao Landlord quem são elas)

O Council Tax (nosso IPTU) é outra conta que deve ser transferida para seu nome. Se você é estudante, será isento, se morar sozinho, você terá um desconto, porém o Council precisa saber disso, portanto, entre em contato e avise!
Um bom landlord (dono do imóvel) normalmente faz tudo isso para o novo inquilino, mas há sempre aquele que fogem a regra. É bom ficar ligado.

Trabalhando em Londres

Para quem tem passaporte europeu, trabalhar em qualquer país da Comunidade Europeia (E.U.) não é empecilho, já que por lei, todos que fazem parte da comunidade, tem os mesmo direitos e deveres. Para quem não faz parte do comunidade, o buraco é mais embaixo…
Falando bem honestamente, se você não tem passaporte Europeu, suas chances de poder trabalhar legalmente no Reino Unido são muito baixas, na verdade, existem duas possibilidades.
A primeira e mais popular opção é vir como estudante, claro, com curso de duração acima de 6 meses, pois se vc vier para um curso que dure menos do que isso você entra com visto de turista, e turista não pode trabalhar.
Pessoas com visto de estudante (TIER 4) tem direito a trabalhar apenas 10 horas semanais no período de aulas, tempo esse que honestamente não dá pra nada, pois é, foi-se o tempo (meu tempo) em que estudantes podiam trabalhar 20 horas por semana. Durante o período de férias é permitido trabalhar em tempo integral, porém quem é que vai querer empregar alguém por um período tão curto? As leis foram mudadas mesmo para tornar o trabalho para estudante quase que impossível. Veja: https://www.gov.uk/student-visa
A segunda opção é o visto de trabalho, o work permit, conhecido como TIER 2 VISA, possivelmente adquirido nos casos onde o sujeito já trabalha para uma empresa multinacional com sede ou filial na Inglaterra, caso ele(a) consiga uma transferência para cá, o visto é mais facilmente concedido, ou, quando você além de ser muito bem qualificado na sua área, provar que tem uma oferta de emprego oferecida por uma determinada empresa no Reino Unido (pode ser até mesmo uma filial da mesma empresa que vc trabalha atualmente, como um Banco por exemplo), e ela vai ter que patrocinar sua vinda… é complicado! Bem, se você quiser pesquisar sobre essa opção, eu acredito que seu nível de inglês deva ser avançado, por tanto, segue o link para mais informações sobre o TIER 2: https://www.gov.uk/tier-2-general, é um processo complicado mas não impossível. Eu já consegui!

Vivendo no Reino Unido pós-Brexit

Por Damian Chalmers 
Como é ser brasileiro vivendo no Reino Unido pós-Brexit? Os próprios brasileiros e seus parentes e amigos podem responder esta pergunta melhor do que eu. Mas, certamente, é possível afirmar que a voz da intolerância e da xenofobia se tornou mais alta nos últimos cinco meses.
A ideia de que os imigrantes são um problema se transformou, de forma assustadora, em um novo senso comum na Grã-Bretanha. Como resultado, muitos não britânicos acabaram perdendo o sentido de casa que adquiriram por viverem a muitos anos no Reino Unido.
O Brexit, porém, ainda não aconteceu – e nem acontecerá até 2019, no mínimo. Quais oportunidades, riscos e ameaças a saída do Reino Unido da União Europeia reserva para brasileiros e latinos que moram no país?
Para começar é bom tirar uma quimera do caminho. Entrar no Reino Unido pode ficar mais fácil para alguns brasileiros. Durante a campanha antes do referendo, muitos argumentaram que o Brexit faria com que a política imigratória britânica ficasse menos eurocêntrica. Propostas foram apresentadas para a adoção de um sistema pelo qual pontos são concedidos aos imigrantes por determinadas habilidades e qualidades – se o indivíduo atinge certo número de pontos, ele pode entrar no país. Tal sistema, em teoria, não leva em conta a nacionalidade. A Austrália, que usa esse método, recebe mais imigrantes do que o Reino Unido.
Infelizmente, as coisas não são assim tão simples. A posição atual do governo britânico é de que a entrada de imigrantes de fora da Comunidade Econômica Europeia (CEE) ainda está em níveis muito altos. Em agosto, a entrada líquida de imigrantes no Reino Unido foi de 327 mil pessoas, sendo 190 mil cidadãos não europeus e 180 mil europeus, e 43 mil britânicos deixando o país. O governo pretende reduzir a entrada líquida para dezenas de milhares, algo em torno de 80 mil a 120 mil. A entrada de não europeus teria de cair para entre um terço e metade dos níveis atuais. Qualquer sistema de pontos seria aplicado de acordo com a posição de cada nacionalidade dentro dos alvos previamente estipulados.
Há outra má notícia para os latino-americanos. Não pela primeira vez, é improvável que eles estejam em uma competição justa com a Europa. Cidadãos em busca de empregos de alta qualificação (médicos e acadêmicos, por exemplo) são mais suscetíveis a conseguirem visto de residência. Haverá, portanto, vagas limitadas para pessoas de outros lugares do mundo. Além disso, é possível que o Reino Unido dê passe livre para europeus em busca desses trabalhos em troca de acesso à zona de livre comércio europeia, reduzindo as chances dos não europeus.
Isso será bom para os latino-americanos com passaporte europeu – eles continuariam a ter acesso a esses trabalhos. Mas isso traz uma questão racial: é mais provável que sejam brancos do que afrodescendentes.
Se a vida é melhor para aqueles com cidadania europeia do que latino-americana, ela continuará a ser tão boa assim?
A rota escolhida por muitos é procurar por trabalho enquanto se aprende inglês. De muitas formas, isso não estará mais disponível no Reino Unido. Até para os cidadãos europeus é provável que não haja mais essa opção.
Há também aqueles que residem aqui há muitos anos. A posição do governo britânico é de garantir os direitos dos cidadãos europeus residentes no Reino Unido se houver reciprocidade em relação aos cidadãos britânicos vivendo na União Europeia. Como não há argumentos contrários a isso por parte da UE, um acordo deve ocorrer em 2017.
Então tudo certo? Nem tanto.
Em primeiro lugar, não se sabe a qualidade do direito de residência a ser garantido. Atualmente, cidadãos europeus podem aplicar para residência permanente depois de viver cinco anos no Reino Unido. Caso contrário, eles só podem residir aqui se forem economicamente ativos, autossuficientes ou parentes de cidadão europeu nessas condições. Se deixarem seus empregos ou negócios no Reino Unido e voltarem mais tarde, devem começar novamente. Isso não é exatamente um problema porque cidadãos europeus podem voltar para procurar trabalho. Mas não está claro se o direito de retorno será garantido. Se um brasileiro com cidadania italiana desistir de um trabalho após dois anos no Reino Unido e voltar ao Brasil por três meses, não se sabe se poderá voltar ou não.
Em segundo lugar, não está claro também quem terá esse direito. Atualmente, a lei europeia garante que qualquer cidadão com dupla nacionalidade pode reivindicar seus direitos como cidadão europeu independentemente da conexão entre o estado europeu e o estado latino-americano. De acordo com o direito internacional, porém, os estados podem requerer um teste de nacionalidade. O indivíduo precisaria mostrar uma ligação genuína com o estado de sua cidadania europeia para usufruir dos benefícios europeus. Não está claro que tipo de teste o Reino Unido aplicaria. Um brasileiro vivendo no Reino Unido com cidadania europeia por ser filho de mãe italiana, por exemplo, pode ficar vulnerável.
A última questão é quais direitos, além da residência, esses cidadãos poderão ter acesso no futuro. Antes do referendo, um ponto fundamental dos debates era que os cidadãos europeus não poderiam aplicar para muitos benefícios sociais nos primeiros quatro anos de residência. Seria surpreendente se o governo britânico oferecesse qualquer condição mais generosa. É possível que os cidadãos europeus tenham direitos limitados no Reino Unido até que eles passem certo número de anos no país.
Os tempos são incertos para todos os brasileiros. Se tiverem cidadania europeia, vale a pena buscar informações com seus respectivos estados europeus. Se estiverem no Reino Unido por tempo suficiente, é recomendável começar o processo de residência permanente.
Vou terminar com algum otimismo. Os governos europeus não toleram que seus cidadãos sejam mal tratados e, dada a linguagem agressiva de alguns políticos britânicos, devem adotar uma postura “um por todos e todos por um”. Além disso, o tipo de sistema de imigração previsto acima pode ser mais prejudicial à economia britânica do que o acesso limitado ao mercado único europeu. Ou seja, o governo britânico pode recuar.

Por fim, não se sabe se as autoridades podem lidar com tudo isso. Nos últimos cinco anos, 150 mil novos passaportes britânicos foram emitidos a cada ano. Como eles lidariam com os requerimentos de 3,6 milhões de cidadãos europeus que vivem no Reino Unido permanece um mistério. Eles podem acabar sendo forçados a facilitar o processo.

Fonte: http://brasilobserver.co.uk/?p=3083

Dicas de Turismo em Londres

Chegou em Londres e quer ver o que há de mais interessante? Recomendo imediatamente a você pegar o ônibus de turismo chamado Original Tour, custa £25 para adultos e £12 para crianças. Ele passa por todos os principais pontos turísticos de Londres, e ainda tem a vantagem de você poder descer em qualquer destes lugares, voltar e pegar o ônibus novamente pois eles são circulares e são varios. Acesse o site para mais informações! Recomendo mesmo!
Eu pessoalmente recomendo reservar pelo menos 5 a 7 dias para conhecer Londres, o ideal mesmo seria 1 ano! Viver todas as estações do ano, pois cada uma delas transforma essa cidade!
Existem milhares de opções para conhecer e aproveitar o que essa cidade milenar tem a oferecer: fantásticos museus gratuitos, parques urbanos como o Hyde Park, o Regent's Park e o Richmond, teatros com espetáculos da Broadway, galerias de arte com obras dos mais famosos artistas da humanidade, pubs históricos como o The Churchill Arms onde o ex primeiro ministro Churchill costumava beber com os amigos, cafés. shows e concertosfeiras de rua ricas em objetos curiosissimos, mercados imperdíveis como o de Borough Market as sextas-feiras e sábados, livrarias com livros a preços incomparavelmente mais baixos do que no Brasil.
Claro, a maioria das coisas querer dinheiro, mas nada que vá deixa-lo(la) de carteira vazia! De qualquer forma, há muitas alternativas gratuitas como por exemplo, os museus, que são praticamente todos de graça (eu particularmente recomendo o Victoria & Albert, o Museu de Historia Natural e o Museu de Ciência e Tecnologia em South Kensington)!
Uma dica extra vai para aqueles que realmente gostam de explorar o lugar ao máximo, ao espirito Indiana Jones! Aqui vai a dica, SECRET LONDON, acesse http://www.secret-london.co.uk, esse site você te ajudar a encontrar diversas curiosidades sobre Londres, ruas escondidas, lugares extintos, pubs "secretos", todo tipo de curiosidade que uma cidade milenar como Londres tem a oferecer! Aproveite! cada esquina de Londres tem uma história para contar!
Dica 1: Para obter extra informações turísticas sobre Londres e redondezas, visite o London Tourist Information Centres, há vários espelhados por Londres, vale a pena. 
Há também um ponto novo e localizado da famosa praça de Leicester Square, (lê-se Leister Square), é o London Information Centre, aberto diariamente das 8h-12h apenas. Existem ainda mais dois outros postos de informações, um fica próximo a catedral de St. Paul's aberto seg/sáb das 9h30-17h30, e o outro na estação de St. Pancras, onde fica o Eurostar.
Dica 2: Como todos sabem, Londres foi e continua sendo uma cidade onde grandes personalidades moraram ou ainda moram, além ter sido local de eventos que mudaram a história.
Em 1986 nasceu a idéia de se instalar uma placa azul, em inglês, blue plaque, em todos os espaços públicos para celebrar a ligação entre aquele local e uma pessoa ou evento famoso.
Andando pelas ruas de Londres você poderá encontrar em diversos locais, principalmente em casas as famosas placas azuis, indicanco por exempo "Mahatma Gandhi 1896-1948 lived here as a law student". Alguns desses locais estão abertos para visitas, outros não, são hoje propriedade particular de alguém.
Se você se interessa pelo assunto e quem sabe gostaria de conhecer o lugar onde alguma personalidade que você admira morou, trabalhou etc, essa é uma boa oportunidade!A lista das Blue Plaques com seus devidos endereços você encontra no seguinte site: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_blue_plaques
Boa caçada!

Guia London A-Z


Uma das primeiras coisas que eu fiz quando cheguei em Londres foi comprar o famoso guia London A-Z, é um pequeno livrinho contendo o mapa de todas as ruas da cidade, naquela época não existia smartphone, Google Maps era algo que ainda estaria por vir. Não por causa da existencia dessas facilidades, ele ainda é  vendido em qualquer banca de jornal ou lojas de conveniências. Custa £5.50 e tem em vários tamanhos. Para quem é old-school, gosta do papel e gostaria de aprender mais a se localizar em Londres, ele ainda quebra um galho danado!

Já com o uso dos smartphones, basta conectar em algum Hotspot wi-fi e acessar www.streetmap.co.uk, que é uma versão digital desse mesmo livro, ou  acessar o Googlemaps digitando o nome da rua ou o Postcode (CEP)! Bingo!

Uma dica valiosissima para andar em Londres, no sentido de planejar suas jornadas pela cidade, saber quais ônibus e linhas de metrô pegar para chegar ao seu destino é fazer uso do aplicativo Citymapper! Esse aplicativo é simplesmente fantático. Basta você colocar o endereco ou postcode do destino que ele, usando a sua localização, irá te mostrar todas as opções de transporte público para chegar lá, incluindo o horario de partida em tempo real dos ônibus, metrôs e trens! Confira.

Sua linha telefônica fixa

Com tarifas de telefone celular tão baratas, ter uma linha telefônica em casa deixou de ser uma vantagem, de qualquer forma, se você for pagar por internet fixa, muito provavelmente ela virá com uma linha telefônica, que você pode ou não usar.

Existem diversas empresas que podem instalar sua conexão de internet fixa, veja o site comparativo aqui https://www.broadband-finder.co.uk. Lá você vai encontrar uma relação de todas as empresas provedoras e comparações de preços e serviços.

Algumas destas empresas cobram um custo inicial de instalação caso a sua casa nunca tenha tido conexão com linha telefônica. Se já teve anteriormente, eles não cobram nada para instalar.

Internet Café


Com a popularização dos smartphones e a facilidade de comprar SIM cards com um bom pacote de dados em qualquer cidade que se vá (com exceção da França), os tão solicitados Internet Cafés diminuíram em quantidade drasticamente. Hoje, a grande maioria das pessoas só visita um quando precisa imprimir algo, para isso ele ainda serve! hehe!

Bem, de qualquer forma, aqui vai a dica: Ainda existem vários em Londres, sendo que a maioria migrou para a periferia. O custo médio continua o mesmo de 10 anos atras, £1,00 por hora de acesso e £0,10 por folha de impressão em Preto e Branco.

Outra opção é se cadastrar em uma das milhares de bibliotecas públicas que existem em Londres, e fazer a sua carteirinha para utilizar gratuitamente a internet, minha sujestão é a Idea Store

Para saber mais sobre a localização precisa de onde os Cyber Cafes estão localizados, acesse: 

Acomodação em Londres - Sua casa!

Na minha opinião, morar bem é fundamental, principalmente para quem está morando em um país que nao é o seu, trabalhando o dia inteiro, muitas vezes em pé! Depois de um dia inteiro de trabalho ou estudo, ou os dois, nada melhor do que chegar em casa e encontrar um lugar legal, limpo e aconchegante para relaxar. Acho que por mais que a vida em Londres seja ralação pura no começo, pelo menos a sua casa tem que ser um lugar legal, de paz e sussego!

Vale a pena pagar um pouco mais do que o mínimo e morar em um lugar melhor. Uma “vaga” em um quarto dividido em Londres custa em média, £70 libras por semana, isso é o mínimo, tem gente que consegue lugares por £50! mas cá pra nós, é cada lugarzinho que dá medo. Economize em outros assuntos e pague um pouco mais por um lugar melhor, por £130 por semana você consegue um quarto single ou por £170 um quarto duplo. Por £250 libras/semana (+ contas) você pode dividir um quarto e sala com mais uma pessoa e morar bem melhor. Vale a pena.

O lugar mais popular para se achar um acomodação é o site Gumtree! É so ficar de olho e pesquisar direito, há sempre um lugar legal por um preço convidativo. Mas tem que procurar beeeeeem!

Para estudantes com dinheiro no bolso,  e querem morar muito bem, eu recomendo o Nido Student Living (http://www.nidostudentliving.com). Trata-se de um apart-hotel para estudantes, existem quatro em Londres, um fica localizado no centro de Londres, ao lado da estação de King’s Cross, o segundo em Spitalfield Market ao lado da estação de Liverpool Street, vizinho a badalada rua de Brick Lane, o terceiro em Notting Hill e o quarto em West Hampstead. Não é barato, mas é excelente. 

Para mais informações, visite o site.
Existe também uma opção mais em conta, o UniPlaces, uma empresa que te ajuda a encontrar a melhor acomodação de acordo com quanto você tem para gastar e onde você quer morar. O site da UniPlaces é (https://www.uniplaces.com/accommodation/london)

Há também as agencias imobiliárias, que podem te oferecer excelentes opções, porém são extremamente burocráticas, ainda mais se você for estudante. Uma das mais populares é a Foxtons (http://www.foxtons.co.uk)

Boa sorte!

Drogas


Apesar de ser ilegal, o acesso é muito fácil. A alguns anos atras eu cheguei a ler em um jornal local um pedido para as pessoas não usarem notas de dinheiro para cheirar cocaína, pois de acordo com testes feitos, 99% de todas as notas testadas continham vestígios de cocaína e traços de sangue, logo, a propagação do vírus da hepatite acaba se alastrando com mais facilidade.
Maconha natural como é vendida no Brasil é muito raro por aqui, o comum é o famoso skank e o haxixe, vendido nas ruas de Camden Town mais fácil que pão, assim como todo tipo de acessórios (cachimbo, bomba, seda aromatizada, estojos etc).
Nas baladas é muito normal o uso de extasy e outras drogas estimulantes, que geralmente são vendidas por alguém dentro do lugar.
Eu particularmente não uso e não recomendo, o barato da droga é interessante mas a vida em si é muito curta, e usar algo que possa reduzi-la ainda mais é um crime contra você mesmo.

TV Licence


Para quem não sabe, aqui na Inglaterra se paga para assistir televisão (assim como na Alemanha e outros países)! É isso mesmo! Pelo fato da BBC não ter propaganda, é você que paga para ela existir.

Para isso, todos as residências que contem qualquer meio de recepção de sinal de televisão (o que inclui smartphones, tablets e computadores) são obrigados a pagar uma taxa anual de £150,50. Caso contrário corre-se o risco de se pagar uma multa de £1,000.00 caso um fiscal da TV Licence apareça na sua casa (e eles aparecem mesmo!) e verifique que você não está pagando a licença.

O pagamento desta licença pode ser dividido em várias parcelas. Para saber mais, visite o site da TV Licence: https://www.tvlicensing.co.uk

Conta Bancária, Abrindo uma.


Ter uma conta bancária é algo muito importante, principalmente na hora de procurar emprego, já que quase todos os empregadores exigem que você tenha uma, pois os pagamentos de salários são sempre feitos em conta.

Abrir uma conta em um banco tradicional não é complicado se você tiver os documentos certos.

Para pessoas que possuem passaporte europeu, basta levar o passaporte, um comprovante de residência (alguma conta ou contrato de aluguel) e seu último contra-cheque (aqui chamado de Payslip).

No caso de estudantes, é necessário o passaporte, o contrato de aluguel, a carta de matrícula da escola e também o seu último payslip.

Pessoas com Visto de Turista não podem abrir conta em banco.

Aconselho o Barclays Bank ou o HSBC, são bancos de alta credibilidade, além de fornecer a você um talão de cheques e um cartão VISA ELECTRON para fazer suas compras, não tendo assim, a necessidade de ficar carregando dinheiro o tempo todo.

A novidade agora são os bancos digitais, muito menos burocráticos e sem taxa de manutenção de conta. 

Os principais são:


Um pequeno detalhe em relação a esses bancos digitais, a maioria deles não oferecem dados de IBAN e BIC para recebimento de dinheiro do estrangeiro, portanto, se você planeja receber algum dinheiro vindo de fora, esses bancos digitais talvez não sejam a melhor opção, eles são mais para transações dentre de UK.

Remédios

Remédios… trago do Brasil ou compro aí? Essa é uma clássica pergunta!
Trazer remédios sem prescrição médica na sua bagagem é um risco, pois, se por acaso a imigração resolver abrir a sua mala, seus remédios desacompanhados de prescrição médica ficarão confiscados, mas essa não é uma prática abtual, ou seja, se quiser, traga os remédios que você está acostumado a tomar deste criança aí no Brasil, que você sabe que funciona bem com o seu organismo.
Com certeza você vai encontrar os mesmos remédios aqui, porém serão mais caros pois estarão sendo vendidos em libras, além do nome, que provavelmente você não vai saber como se chama, pois estará em inglês, eu mesmo tenho esse problema! Países diferentes têm os mesmo remédios, porém com nomes diferentes, claro, há sempre os casos a parte.
Diversos remédios incluindo anticoncepcionais, podem ser adquiridos gratuitamente nos postos de saúde pública (GPs). Aqueles que precisam de prescrição médica, só com prescrição médica mesmo! Não tem “jeitinho” não. Aqui você não compra rémedio de tarja preta sem prescrição como no Brasil.
Basicamente existem duas grandes redes de farmácias aqui em UK, a Boots e a Superdrug. Há também as farmácias do próprio NHS.

Remédios contra gripe, resfriados e dores de cabeça são vendidos em todos os super mercados, sem problemas, porém se você passar mal as 11 horas da noite de um domingo, fique certo(a) que não irás encontrar um farmácia aberta tão fácil. Melhor se garantir com anti-alérgicos, anti-inflamatório e antibióticos.

Londres é dividida por Zonas


Londres é uma cidades dividida por Zonas que vão de 1 a 9. A zona 1 (em branco no centro do mapa) corresponde ao anel central da cidade, é a zona mais importante comercialmente, é nela onde estão situados os principais pontos turísticos, as grandes empresas, os grandes negócios, ou seja, é nela que o coração de Londres bate. Na zona 1 os aluguéis tanto comerciais quando residenciais são bem mais caros devido a estarem bem no centro da cidade.
A Zona 2 (em verde no mapa) é a zona seguinte e zona 1 (e assim por diante). Ela ainda é bem procurada por estar não tão longe do centro. Depois vão vindo as zonas 3 até a 9. As zonas de 3 á 6 geralmente são zonas não tão badaladas, as residências prevalecem, geralmente são mais espaçosas e mais baratas, porém são “longes” do centro, longe de onde as coisas acontecem! Claro, mesmo os bairros mais distantes tem o seu próprio centro, com filiais das principais cadeias de lojas da Inglaterra, além do que, o sistema de transporte público conecta a cidade inteira, ou seja, mesmo morando um pouco mais afastado, você chegará ao centro com rapidez e segurança usando metrô ou trêm.
As zonas 7, 8 e 9, são bem pequenas, correspondem apenas a uma pequena área no Noroeste de Londres, que inclui Watford, Croxley Green, Rickmansworth, Amersham or Chalfont & Latimer
Se você morar, estudar ou trabalhar na mesma zona, ou na zona ao lado, isso pode significar uma grande economia para você na hora de comprar seu ticket de metrô (Oyster Card), pois quanto mais zonas o metrô atravessa para chegar ao seu destino, mais caro fica a sua passagem. Por exemplo um Oyster Card semanal (ilimitado o numero de viagens) que vale para estações dentro das zonas 1 e 2 custa £33,00, se for entre zona 1 e 4 custa £47,30 e assim por diante. Uma observação a se fazer é que apesar de você comprar o Oyster Card com limitação de zonas pelo metrô, ele funciona com ônibus em qualquer parte da cidade não importando em que zona você esteja.
Veja mais informações sobre transporte público na postagem chamada “Transporte Público”. Para saber mais sobre todas as tarifas, visite https://tfl.gov.uk/fares-and-payments/fares?intcmp=1648

Adquirindo um Carro

Antes de mais nada, é bom saber que a Inglaterra é o país onde vc compra carro mais barato na Europa! Eu acredito que é pelo fato de apenas aqui o volante ser do lado direito, tornando o mercado um pouco restrito, abaixando o preço.

Adquirir um carro aqui não é lá muito complicado. Para compra-lo novo, não há segredo, basta ir em uma concessionária e financila-lo ou comprar em cash! Para comprar usado, uma das melhores opções é acessar o site AutoTrader (http://www.autotrader.co.uk/) e procurar pelo modelo desejado. 

Esse é o site mais usados por todos que querem comprar ou vender automóveis, tanto carros quanto motos ou vans.

Na hora de comprar um carro usado, existem alguns detalhes a serem observados:
– O primeiro é verificar se o Certificado de M.O.T.(*) está valido, caso contrario, você terá que levar o carro a uma oficina autorizada para ter o carro testado e obter o certificado de M.O.T., e isso não é de graça. Por tanto, é bom comprar um carro que esteja com o certificado de M.O.T. válido (vale por 1 ano)
– Segundo, verificar se o Road Tax está pago (Road Tax é o nosso IPVA). Diferente do Brasil onde você paga o IPVA de acordo com o valor do carro, aqui você paga de acordo com a quantidade de CO2/km que o seu carro emite. Se o seu carro emite até 100g de CO2/km ele está isento de impostos! Os preços variam a partir de 101g de CO2/km até acima de 225g/km onde você paga o máximo de £515 libras por ano. Veja a tabela em (http://www.direct.gov.uk/en/Motoring/OwningAVehicle/HowToTaxYourVehicle/DG_10012524)
– Terceiro, aqui seguro é obrigatório, e cada tipo e modelo de carro pertence a uma categoria de valor de seguro. Portanto, antes de comprar a caranga, fique atendo a que categoria de seguro seu carro desejado pertence para não pagar mais pelo seguro do que pelo carro!

Aqui, o seu tempo de carteira, idade e os bônus de seguro contam muito. A carteira brasileira só vale por um ano,  não é aceita por várias seguradoras e a internacional leva cota máxima.

Minha sugestão para aqueles que estão vindo morar aqui sem planos de voltar tão cedo é: faça os devidos testes e tire a carteira de motorista britânica logo que chegar, depois compre um carro de categoria de seguro baixo. Fique usando a caranga por uns 3 anos. Depois de 3 anos sem acidentes, você estará com 3 anos de carteira, 3 anos de bônus de seguro e com crédito na praça. Ou seja, vai poder comprar uma bela máquina Okm, pagar uma pechincha por mês fazendo um leasing (taxa de juros varia de 0% a 9% ao ano), e ter um excelente desconto no seguro, mesmo que o carro pertença a uma categoria de seguro mais alta. Sacou?

A mesma coisa funciona para motos.


(*) M.O.T. é um certificado que confirma que o veiculo, depois de testado, passou pelas exigências mínimas aceitáveis para rodar com segurança, de acordo com os padrões requeridos pela lei.

Cinema Ilimitado

Para quem gosta de ir ao cinema, a rede de cinema Cine World tem uma boa proposta, um contrato de 12 meses onde você paga £17,90 por mês debitados em conta e tem acesso ilimitado apara assistir quantos filmes você quiser assistir. Eu considero uma ótima proposta, já que em Londres, na maioria dos cinemas, se você for comprar um bilhete para assistir um único filme pode te custar entre £8 a £18.
Para assinar seu contrato você precisa ir num Cine World mais perto com seu passaporte e seu último extrato bancário recebido pelo correio.

Nota: Infelizmente devido a pandemia, a rede Cineworld está fechada até segunda ordem. Eu acho que faliu.

Assessoria Jurídica

Para quem está com duvidas ou precisa de serviços legais em relação a vistos e legislações sobre imigrantes no Reino Unido, eu recomendo consultar a STAY UK, gerenciada pela advogada brasileira Luci Saldanha. Sempre muito prestativa e por dentro das novas regulamentações, ela estará apta a te ajudar. website: www.stay-uk.co.uk / email: luci@stay-uk.co.uk

Envio de Dinheiro para o Brasil

O envio de dinheiro para o Brasil é um processo muito fácil e rápido na Inglaterra. Em Londres mesmo, existem diversas agências de transferência de dinheiro onde você pode enviar a quantia desejada* para qualquer conta corrente no Brasil. Algumas transferem imediatamente, outras demoram entre 24 à 48 horas. Algumas cobram uma taxa de envio, outras fazem de graça.
Na primeira remessa, as empresas normalmente exigem um documento de identidade e um comprovante de residência para efeito de cadastro.

Uma ótima opção na minha opinião é o App TransferWise, eles tem as melhores taxas, é super facil de usar e pode ser instalado no seu celular.

Aí vão algumas delas:

Western Union (Envio de dinheiro para qualquer pais do mundo)
Travellex (Envio de dinheiro para qualquer pais do mundo)
Small World
Trans-Fast


Economize sua Grana!!!


Uma dica que ninguém me deu! Se você não for rico, então a dica é essa, economize seu dinheiro quando chegar em Londres, não invente de comprar eletrônicos, roupas etc sem antes estar com um emprego fixo e certo.
Digo isso pois tudo aqui é muito acessível; roupas, eletrônicos, guloseimas etc. A todo momento você encontra lojas com descontos inacreditáveis, porém, você deve conhecer aquele ditado que diz que de grão em grão a galinha enche o papo, de mesma forma acontece com o seu bolso, de promoções em promoções, suas libras somem da sua carteira. Conheço pessoas que gastaram 500 libras na primeira semana… depois viram a besteira que tinham feito.
Segure sua grana até estar bem estabelecido.
Depois não diga que não avisei!!!!

Congestion Charge

Londres é uma cidade milenar, e realmente não foi projetada para o tráfego intenso de automóveis, as ruas são estreitas, algumas começam do nada e terminam em lugar nenhum! Olhando Londres de cima (Google Earth) você vai perceber que a cidade parece uma teia de aranha! Nada foi projetada pensando no futuro, as coisas vão se adaptando de acordo com as mudanças que o futuro vai trazendo.

Visando a redução da quantidade de veículos no centro da cidade e a diminuição da poluição o governo londrino criou o Congestion Charge. O Congestion Charge é um pedágio cobrado a todos os carros que atravessam a parte da cidade de Londres delimitada como “Área de Congestion Charge” geralmente sinalizada com placas como essa na foto.

Todo motorista que entra no centro ou em parte do oeste de Londres das 7h às 22h, tem que pagar 
o Congestion Charge, um pedágio de £15. O pedágio não é pago na entrada da zona central, a “Congestion Charge” é vendida online e pode ser paga também pelo telefone 0343 222 2222. Ao pagar, o motorista informa a placa do carro. As placas dos veículos que transitam pelo centro de Londres são registradas por câmeras para que seja verificado se a congestion charge foi paga. Pagando £15, o motorista pode entrar e sair da zona da Congestion Charge quantas vezes desejar, sem custo adicional.

Se deixar para pagar, o valor sobe para £17.50 e precisa ser pago até a meia-noite do terceiro dia seguinte ao ingresso do veículo na zona da Congestion Charge.

O motorista que não pagar durante esses três dias recebe uma multa de £80, que sobe para £160 se não for paga em 14 dias. 

Para não correr o risco de esquecer de pagar e ser multado, você pode optar pelo “Congestiom Charge Auto Pay”. Como o próprio nome indica, com o “auto pay” o débito é automático quando o veículo entra na área da Congestion Charge, mas para utilizar esse serviço você precisa pagar uma taxa anual de £10.00. 

No site www.tfl.gov.uk, encontra-se a área exata no centro de Londres onde o pedágio é aplicado. 

Veículos movidos a diesel pagam uma taxa extra, a T-Charge*.

Clicando aqui, você fica sabendo como pagar e obtém informações sobre como registrar o seu veículo para pagar automaticamente.

O pedágio é diário e não por acesso, portanto ele permite que o motorista que pagar £15 entre e saia do centro várias vezes durante o dia. Bicicletas e motocicletas são isentas do pedágio.

Lembre-se de que o tráfego é pela esquerda e dirija com cuidado. 
 De leve que é na contramão! 

*Para ajudar a melhorar a qualidade do ar, uma zona de emissões ultrabaixas (ULEZ) estará em vigor no centro de Londres a partir de 8 de abril de 2019, na mesma área da taxa de congestionamento. A maioria dos veículos, incluindo carros e vans, precisará atender a novos padrões de emissões de escape mais rigorosos (padrões ULEZ) ou ser responsável por uma taxa diária de dirigir dentro da área da ULEZ. Carros a gasolina fabricados desde 2005 e a diesel fabricados desde o segundo semestre de 2015 estarão isentos pois possuem certificação EURO 6.


Carteira de Motorista Inglesa


Sua carteira de motorista é válida por 1 ano aqui na Inglaterra, seja ela de qualquer categoria, depois de 1 ano você terá que tirar uma carteira de motorista inglesa caso queira dirigir em UK. Em suas viagens pela Europa, a sua carteira brasileira continuará valendo.
O processo para tirar a carteira FULL não é fácil, pois os testes de direção são bastante exigentes. Inicialmente você tem que fazer a carteira provisória, ou carteria de Learner, que lhe permitirá dirigir motos até 125cc (14.6bhp) e automóveis de passeio com uma pessoa com mais de 3 anos de carteira ao lado. Para adquirir essa carteira, basta ir ao correio mais próximo, pedir e preencher o formulário do DVLA, enviar os documentos requisitados e pagar a taxa. Poucos dias depois você irá receber a carteira provisória em sua casa, que vale também como identidade oficial.
Atenção, para dirigir moto (até 125cc) você vai ter que fazer um teste de um dia, chamado CBT (Compulsory basic training)  em uma escola de direção, custa algo em torno de 120 libras e dura um dia, é fácil e sem truques, sem o CBT essa carteira provisória serve apenas como identidade, mais nada. Já para dirigir carro, não é necessário curso nenhum, como disse antes, você precisa apenas a companhia de uma pessoa ao lado com mais de 3 anos de carteira.
Para poder dirigir moto de qualquer categoria ou carros sem a presença de uma companhia você precisará tirar a Full Drive Licencie. Para tanto, será necessário fazer um teste teórico e depois, um teste prático, fácil para carros, mas muito difícil para motos!
O endereço do site do governo sobre direção é: http://www.direct.gov.uk/en/Motoring/index.htm
Para fazer o CBT ou o curso para Full Drive Lincence para Motos, eu recomendo a Academy Motorcycle Training, website http://www.amt.me.uk/, lá trabalha o Ray Waker, um inglês gente boa que vai te instruir da melhor maneira possivel! (Telefone: 01708734121)